29 julho, 2008

O Verão

Este Estio, embora estranho e imprevisto - o Tempo já não é o que era, dizem os mais velhos - vai decorrendo calmo. Calor suportável e poucos fogos, até ver.
Menos lucros na Banca, a Bolsa em queda e os endinheirados deste País, aflitos, coitados.
Política caseira sem sal, mas lá fora Obama entusiasma.
A morte, seja em atentados, no Iraque ou na Turquia, ou com outra forma em qualquer parte do Mundo, não nos afecta. Tomamo-la como aperitivo às refeições.
Vamo-nos portuguêsmente lamentando de tudo e todos - também se assim não fosse não havia Fado - fingindo que está tudo bem. É do tempo. Deste e do outro que está para vir...

O melhor é ouvirmos Vivaldi. De "As Quatro Estações",Concerto nº2, em Sol menor, "O Verão"


A ordem do Tempo.

As cerejas - de maduras - já se apanharam, ...



... os Kiwis só lá para o fim do ano.



Este é o tempo das maçãs.

01 julho, 2008

3 - VIENA, CAPITAL DA MÚSICA ... E DO FUTEBOL

ALEMANHA 0 – ESPANHA 1

No domingo, a Final. Com muita emoção e ritmo, cumpriu-se o futebol. A Alemanha vergou-se à classe espanhola e saiu derrotada, mas, humildemente, reconheceu a superioridade dos iberos. Continuo a pensar que esta Alemanha estava perfeitamente ao alcance de Portugal, se este fosse mais humilde e se Scolari tivesse feito os trabalhos de casa em condições. Resta-nos a alegria da vitória de Espanha, pelo sangue ibérico que nos aproxima.
Perante uns alemães mais “quentes” que o habitual, perturbados e pouco esclarecidos, Espanha com classe, calma e alma foi uma intérprete superior da sua arte. A Europa ficou rendida.

A festa terminou, as emoções regressaram à sua ordem. Então, com classe, calma e alma, Astúrias — lindíssimas — de Isaac Albéniz, interpretada pelo magistral John Williams.