25 abril, 2008

Foi há 34 anos, lembram-se?


Foi há 34 anos, lembram-se? Uns lembram-se perfeitamente, como se fosse hoje; outros têm uma lembrança vaga por acção da sua, então, juventude; outros, que nasceram livres depois desse ano, possuem uma vaga ideia de um ano - do qual os pais falam – em que algo de importante aconteceu. E aconteceu mesmo...
Julgo que o dia 25 de Abril de 1974 passei-o em cima do meu cavalo “Fardo” em missão de APSIC (acção psicológica) com o meu Pelotão, no leste de Angola. Quando entrei a porta de armas do quartel do Munhango, um ou dois dias depois, o soldado de serviço disse-me que algo se passara na metrópole. O Marcelo Caetano estava preso, tinha havido uma revolução. Assim o dizia a BBC. Poucos dias depois chegou a confirmação oficial – a guerra terminara.
Do que me lembro da altura com mais precisão, é da cara de espanto e indecisão estampada no rosto dos alferes e furriéis milicianos do 2º Esquadrão de Cavalaria do G.CAV 1 estacionado no Munhango. Nós que tínhamos nascido, crescido, estudado em Angola, lá onde estavam as nossas famílias, sentíamo-nos extremamente confusos. Lembro os olhares de dúvida que assaltaram o rosto de todos aqueles jovens milicianos. Recordo-me perfeitamente.
Passados estes anos, valeu a pena? Claro que valeu a pena. Separámo-nos, uns vieram para Portugal, como eu, outros continuaram na sua terra, prosperaram. Alguns já morreram, uns cá outros lá. De doença, acidente ou mesmo vítimas da outra guerra – saudades, Valdemar Chindondo – pelos quais verto lágrimas que se não vêem. Mas hoje meus irmãos de Angola, já podemos cantar sem medo eles comem tudo, eles comem tudo, eles comem tudo e não deixam nada ...