22 outubro, 2006

Paul Cézanne - Centenário da sua morte

As Grandes Banhistas

Com 67 anos de idade, morreu vítima de tuberculose. Artista maior das paisagens e das naturezas mortas — embora tenham também pintado figuras humanas em retratos e grupos — foi um impressionista que criou uma linguagem própria percursora da arte moderna.
Filho de um rico homem, que ao morrer lhe deixou uma considerável fortuna, conviveu com alguns grandes nomes da arte, como o escritor Émile Zola ( amigo de infância e companheiro de escola) ou com os também pintores Camille Pissarro (seu mestre e patrono), Monet e Renoir . Mas Cézanne era um ser depressivo, solitário, excêntrico e muito obstinado, a quem a fortuna do papá parece não ter trazido felicidade alguma, a não ser o facto, pouco normal, de não ter vivido e morrido na miséria como a maioria dos seus colegas artista da época. Nós congratulamo-nos, porque esse perfil psicológico deixou-nos um acervo de obras extraordinárias.
E como estamos no Outono e o tempo corre feio aqui vos deixo um alerta: Cézanne tinha por hábito pintar ao ar livre na sua Aix-en-Provence natal, mesmo em Outubro. Exposto ao frio e à chuva, primeiro veio uma gripe, depois uma pneumonia e por fim a morte nesse dia 22 de Outubro de 1906.
Como entrámos na “época oficial” das gripes e a tuberculose ainda mata bastante por cá ... cuidemo-nos nós, que somos simples mortais, distantes de Cézanne que já tinha em si o gene da imortalidade.

Sem comentários: