12 dezembro, 2006

Os verdadeiros artistas do futebol.

Quando, como nos dias de hoje, se fala tanto do futebol pelos piores motivos, envolvendo em geral actores acessórios ao mesmo, e uma pessoa se encontra dividida entre o fascínio pela beleza estética de uma actividade humana que é um dos paradigmas da actual sociedade e o repúdio por tudo o que ela também representa de falsidade, corrupção, interesses mesquinhos e paixões exacerbadas e doentias, resta-nos acreditar que ainda existem pessoas e desportistas pelos quais vale por uma prática desportiva que, num futuro não muito distante — através da enorme força atractiva que exerce em especial sobre a juventude — esteja ao serviço da humanidade e engajado inequivocamente na resolução dos grandes problemas sociais contemporâneos.
São artistas como Samuel Eto’o e Frederic Kanouté que devem ser apontados como exemplo aos nossos jovens desportistas. São eles os verdadeiros Artistas do futebol e do humanismo, e não aqueles “artistas” que, sem saberem sequer equilibrar-se para dar um pontapé na bola, vão sugando as veias do desporto em benefício próprio.

Imigrantes
Nuno Ribeiro, Madrid


Não é engano. Antes pelo contrário. Na bola também se pode falar de coisas sérias. O pontapé pode servir para dar a conhecer carências. Injustiças. E encontrar soluções. Nem que sejam à pequena escala. E, então, falar, quando menos se espera dos problemas dos imigrantes.Há dois tipos de artistas. Os que andam cegos pela notoriedade concedida pelo mais belo jogo. E os que o praticam e vivem não esquecendo o mundo. Os primeiros, perdem-se em honrarias. Em festas sociais. Em gestos de mau gosto e de muito acumulação de riqueza. Os do segundo caso, são didácticos sem serem chatos. Lançam alertas nos mais inesperados fóruns e espaços.É assim que, por exemplo, num jornal desportivo aparece o tema da imigração africana. Quem chama a atenção para o drama é gente da bola, com a vida resolvida, mas com um arguto sentido da justiça - o que deixa muito eco às suas preocupações. Ser solidário é o lema de Samuel Eto"o, o mago dos Camarões que joga no Barcelona. Eto"o denuncia o que há de errado em Espanha: o racismo. Não é caso único de alertas. Frederic Kanouté nasceu há 29 anos nos arredores da cidade francesa de Lyon. Passou, sem grande glória, pelo futebol inglês e esta é a sua segunda época no Sevilha. Não vai nada mal. Comanda com Ronaldinho e o argentino Diego Milito, do Saragoça, a lista de melhores goleadores: com 11 êxitos.Kanouté é filho de país do Mali. Que emigraram para França à procura de melhor vida. Ele encontrou-a na bola: o seu contrato de rescisão é de 25 milhões de euros e o que ganha é inconfessável. Mas Kanouté não esquece de onde veio. De África.E foi assim que, na véspera do jogo do Sevilha com o Real Madrid, numa entrevista a um desportivo, preferiu falar da sua longínqua origem a dizer as habituais banalidades sobre o jogo. Inteligente, levou a conversa para o campo que lhe interessava. "É difícil ir ao Mali e não sentir-se chocado com a pobreza", disse. Uma vez feito o diagnóstico pessoal, o astro da bola continua a falar da vida: "Há que trabalhar com a gente de África, ajudar o desenvolvimento e acabar com a injustiça dos imigrantes."De bola, pouco ou nada disse na entrevista. Kanouté prefere falar da vida. E jogar futebol sem transcendências linguísticas. E assim fez. Marcou o primeiro dos seus tentos ao Real Madrid. O segundo golo, que garantiu a vitória, foi obra de arte do uruguaio Chaventón. Dois de fora, imigrantes de luxo, com arte. E memória.

Público 12/12/2006

Sem comentários: