07 novembro, 2008

"All Things Are Possible"


Propositadamente deixei passar alguns dias para comentar a eleição de Barack Obama como próximo presidente dos EUA. Para acalmar e entender. Na minha – ainda (?) – curta existência vivi alguns factos que marcaram os últimos decénios da nossa civilização. Lembro-me dos assassínios de John F. Kennedy e de Martin Luther King, da Guerra do Vietname, do Maio de 68 e da Primavera de Praga, dos primeiros passos do Homem na Lua, da Guerra dos Seis Dias, do 25 de Abril, da “perestroika” na URSS e do desmoronar do muro de Berlim, do fim do “apartheid” e da libertação de Nelson Mandela, da guerra ao Iraque e do 11 de Setembro. Entre outros, estes foram acontecimentos que me tocaram – uns mais, outros menos – de diferentes maneiras. Vivi uns com temor e assombro, outros deslumbraram-me. Alguns fizeram-me meditar sobre a condição humana, e outros ainda vivi-os com alegria e entusiasmo.
A vitória de Barack Obama irá ficar na minha memória como um dos acontecimentos que vivi com mais esperança. É sem dúvida um dos momentos mais fracturantes na evolução da sociedade dos humanos, pelas expectativas de mais tolerância entre todos e pela ruptura imposta a ideologias e formas de pensamento que ainda vão fazendo alguma escola. É um ponto de viragem de tal ordem que muitos o julgavam impossível. Mas aconteceu. “All things are possible” tanto na América como, a partir de agora, no resto do Mundo.

Será esta uma re(Criação) do Mundo?

Joseph Haydn - A Criação

Sem comentários: